- Não dançar
– Falar palavrão só de vez em quando
– Sutilmente tentar descobrir se outros irmãos também bebem
– Dar opinião sobre algo que não conhecemos
– Dizer “Vou orar por você” e não orar
– Ter medo que o arrebatamento venha antes de você casar
– Ter um lugar reservado na igreja
– Resolver tudo com “mais oração”
– Chamar fofoca de pedido de oração
– Desejar que seu testemunho de conversão fosse mais emocionante
– Dizer “vou orar sobre isso” como sinônimo para “não”
– Achar que Deus vai lhe dar um chamado seguido de muitos detalhes
– Usar a Bíblia para evangelizar pessoas que não acreditam na Bíblia
– Dizer que está “esperando em Deus”
– Não usar o nome da pessoa, chamá-lo apenas de “pastor”
– Repassar emails com mensagens cristãs
– Julgar a fé de alguém pelo número de versículos sublinhados em sua Bíblia
– Mandar recados para o diabo
– Transformar os diáconos em agentes secretos
– Desejar que tivesse se divertido mais antes de se converter
– Pensar que fé é um evento
– Fazer coisas supersantas para Deus
– Prosperidade
– Doar coisas inúteis para a igreja
– Dizer aos outros que o sermão do domingo foi direcicionado a eles
– Comparar a vida cristã com Red Bull (te dá asas)
– Usar fé como moeda para negociar com Deus
– Filmes evangélicos, como “Desafiando os Gigantes”
– Pedir dinheiro na igreja
– Emoticons cristãos como “<)><“.
– Esquecer quem nós somos
– Fazer ameaças cristãs por carta ou email
– Colocar adesivos cristãos (como o do peixinho) na traseira do carro
– Pensar que Deus está muito longe de nós
– Dizer “a Bíblia” sempre que alguém pergunta qual o melhor livro que você já leu
– Tratar Deus como uma máquina de fazer suco
– Afirmar algo que Deus nunca disse em sua Palavra
– Criar um “ambiente cristão” no seu escritório
– Perguntar a si mesmo se só crer em Deus é o suficiente
– Dormir no culto
– Falar sobre o fim do mundo
– Dar nomes bíblicos aos filhos
– Fazer listas